• Luiz Alcoba

Alta disponibilidade

Ao se projetar uma infraestrutura de TI de alta disponibilidade, é importante compreender primeiramente as diversas causas do tempo de indisponibilidade. Por isso, iremos categorizar o tempo de indisponibilidade como não planejado ou planejado. Paradas não planejadas geralmente são provocadas por falhas em computadores e por outras falhas que podem provocar indisponibilidade dos dados (como danos de armazenamento, falha no datacenter, etc.). O tempo de indisponibilidade planejado inclui atividades de manutenção, como alterações de hardware, software, aplicações e/ou dados.

A forma tradicional da alta disponibilidade

Adicionar tolerância a falhas básicas a uma infraestrutura de TI não é difícil. Você pode adicionar alguns poucos componentes redundantes e alegar que isso é tolerância a falhas ou alta disponibilidade. Se você possui alguma falha em sua pilha de TI, existem componentes disponíveis para os quais você pode fazer o failover. Seguindo este princípio básico, alguns clientes construíram uma estrutura de alta disponibilidade composta por:

  • Um modelo de cluster de N+1 servidores ativo-passivo (por exemplo, cluster integrado com o sistema operacional).

  • Espelhamento dos bits no array de storage para alguns arrays de storage remotos.

  • Um produto de backup em fita que garante que backups periódicos possam ser obtidos e armazenados fora da empresa.

  • Um gerenciador de volume separado para facilitar o gerenciamento do storage subjacente.

Esse tipo de configuração funciona, mas com importantes limitações, como por exemplo:

  • Normalmente, as soluções mencionadas acima vêm de diferentes fornecedores. Fazer a integração e gerenciar essas variadas soluções exige um esforço significativo.

  • Como a arquitetura geral é baseada em diferentes soluções pontuais, é difícil redimensionar a configuração para aumentar o throughput. O redimensionamento eficaz é essencial do ponto de vista da alta disponibilidade.

  • Apesar de as soluções de alta disponibilidade focadas em hardware (por exemplo, espelhamento) oferecerem métodos simples de proteção de dados, sua abordagem no nível de bytes dificulta a criação de recursos de otimização de aplicações.1

  • Um fator relacionado é o retorno do investimento (ROI) nos sistemas de alta disponibilidade. Se um servidor está configurado em um ambiente de cluster N+1 voltado para o failover, ele não pode suportar carga de trabalho e os recursos de computação são desperdiçados. Se um array de storage remoto está recebendo bits através da tecnologia de espelhamento de storage, nenhuma aplicação ou banco de dados podem ser montados nesse array de storage, causando ainda mais desperdício.

O jeito Oracle de garantir a alta disponibilidade

Considerando esses problemas, a Oracle tem adotado a abordagem de construir um conjunto de recursos de alta disponibilidade altamente integrados dentro do kernel do banco de dados.

Os três princípios básicos da visão de alta disponibilidade da Oracle são os seguintes.

Aproveitar a proteção aprimorada de dados otimizada pela Oracle

A Oracle entende a estrutura de blocos melhor que qualquer um, permitindo soluções nativas com recursos inteligentes. Como a Oracle pode detectar se um bloco Oracle está fisicamente corrompido na primeira oportunidade, a solução de proteção de dados da Oracle, o Oracle Data Guard, detectará e interromperá a propagação de blocos corrompidos nos sistemas de destino.2 Da mesma forma, a solução de backup e recuperação da Oracle (RMAN) pode fazer uma recuperação detalhada e eficiente dos blocos individuais em vez de arquivos de dados inteiros. O RMAN pode também rastrear os blocos alterados da melhor forma possível, garantindo que seja feito o backup somente dos blocos alterados, fornecendo então um recurso poderoso de eliminação de duplicatas implícito. O Active Data Guard permite que bancos de dados físicos em standby sejam abertos para acesso de leitura mesmo quando estiverem sendo sincronizados com os bancos de dados de produção através da recuperação de mídia.

Fornecer alta disponibilidade integrada com as aplicações

Fornecer alta disponibilidade e proteção de dados no nível de bits e bytes não é suficiente, pois as paradas acabam derrubando a aplicação, e, portanto, afetam os usuários. As tecnologias inovadoras Flashback da Oracle funcionam no nível de objeto de negócios, por exemplo, reparando tabelas ou recuperando transações específicas. Estas soluções têm um alto nível de granularidade e são, portanto, muito eficientes, sem causar a interrupção do restante do banco de dados. Além disso, através do recurso de Redefinição on-line, a Oracle permite a realização de mudanças estruturais em uma tabela enquanto ela está sendo acessada e atualizada. Da mesma forma, em caso de failover no nível do banco de dados, as soluções da Oracle garantem que o failover também seja executado de forma automática nas conexões de aplicações / camada intermediária, melhorando a disponibilidade e a qualidade do serviço ao impedir que os usuários sejam afetados por conexões sem resposta ou tenham que reconectar manualmente ao banco de dados.

Fornecer uma arquitetura integrada, automatizada e aberta

Como as soluções de alta disponibilidade da Oracle estão disponíveis como recursos incorporados ao banco de dados, não há a necessidade de integração separada com tecnologias de terceiros. Não são necessárias instalações separadas e os upgrades para as novas versões são simplificados enormemente, eliminando o processo doloroso e demorado de certificação de versão para as tecnologias de diversos fornecedores. Além disso, todos os recursos podem ser gerenciados através da interface de gerenciamento unificado do Oracle Enterprise Manager Grid Control. A Oracle também incorpora a automação em cada etapa, evitando erros comuns que normalmente ocorrem nas configurações manuais. Os clientes podem facilmente optar por executar o failover automaticamente para um banco de dados em standby caso o banco de dados de produção fique off-line; os backups podem ser arquivados e removidos automaticamente para um gerenciamento mais eficaz do espaço; e as corrupções de blocos físicos podem ser reparadas automaticamente. Por fim, o conjunto de soluções de alta disponibilidade da Oracle é aberto: ele não restringe os clientes a usarem somente soluções nativas da Oracle. Por exemplo, os clientes podem usar a tecnologia de replicação nativa da Oracle, mas escolher um produto de backup de terceiros. Eles podem usar a tecnologia de cluster da Oracle, mas escolher o espelhamento de storage de terceiros se preferirem aproveitar investimentos anteriores na tecnologia de espelhamento de storage e práticas operacionais.

A visão de alta disponibilidade da Oracle está incorporada no conjunto de soluções de alta disponibilidade da Oracle e na Oracle Maximum Availability Architecture (MAA), que é a estrutura das práticas recomendadas para alta disponibilidade da Oracle.

Reduzindo o tempo de indisponibilidade não planejado

Os problemas de hardware, que causam falhas no servidor, são essencialmente imprevisíveis, e resultam em tempo de inatividade da aplicação quando ocorrem. Da mesma forma, uma variedade de falhas de disponibilidade de dados, incluindo a corrupção do armazenamento, paradas no datacenter e erro humano, também causa tempo de inatividade não planejado. Nesta seção, discutiremos como as soluções de alta disponibilidade da Oracle resolvem essas categorias fundamentais de falhas para evitar e atenuar o tempo de inatividade não planejado.

Disponibilidade do servidor

A disponibilidade do servidor está relacionada a garantir acesso ininterrupto aos serviços de banco de dados apesar de falhas inesperadas de uma ou mais máquinas que hospedam o servidor de banco de dados, o que pode ocorrer devido a falha de hardware ou software. O Oracle Real Application Clusters, a base da arquitetura de Computação em Nuvem Privada da Oracle, pode proporcionar a proteção mais eficaz contra tais falhas.

Oracle Real Application Clusters

O Oracle Real Application Clusters (RAC) é a melhor tecnologia de clustering de banco de dados, permitindo que dois ou mais computadores (“nós”) em um Pool de Servidores acessem simultaneamente um mesmo banco de dados compartilhado. Esse sistema de banco de dados passa por diversos sistemas de hardware, mas ainda assim aparece para a aplicação como um único banco de dados unificado. Essa arquitetura amplia os benefícios de disponibilidade e escalabilidade para todas as aplicações, especialmente:

  • Tolerância a falhas no pool de servidores, especialmente falhas de computador.

  • Flexibilidade e relação custo-benefício no planejamento de recursos, de modo que um sistema possa ser dimensionado para qualquer capacidade desejada sob demanda e conforme as necessidades da empresa mudem.

Uma vantagem principal do RAC é sua tolerância inerente a falhas, proporcionada pelos múltiplos nós. Como os nós físicos são executados de forma independente, a falha em um ou mais nós não afetamos os outros. Essa arquitetura também permite que um grupo de nós seja colocado on-line ou off-line de forma transparente, enquanto o restante do pool de servidores continua a fornecer o serviço do banco de dados. Além disso, o RAC fornece integração incorporada com o Oracle Fusion Middleware e os clientes Oracle para o failover das conexões.

O Oracle RAC também proporciona aos usuários a flexibilidade de adicionar nós ao pool de servidores conforme a demanda por capacidade aumenta, reduzindo custos ao evitar o upgrade onde ocorre a substituição de um sistema existente por um novo com mais capacidade, o que custa mais e pode causar interrupções. A tecnologia Cache Fusion implementada no Oracle RAC e o suporte para redes InfiniBand permitem redimensionar a capacidade de forma quase linear, sem alterações em sua aplicação.

Com as capacidades únicas descritas acima, o Oracle RAC permite Nuvens Privadas empresariais. As Nuvens Privadas empresariais são formadas por grandes configurações de componentes padronizados, com preços acessíveis: processadores, servidores, rede e armazenamento. Além disso, o Oracle Real Application Clusters é completamente transparente para a aplicação que acessa o banco de dados do Oracle RAC, permitindo assim que as aplicações existentes sejam implantadas nele sem exigir modificações.

Disponibilidade de dados

A disponibilidade de dados trata de evitar e reduzir falhas de dados: perda, danos ou corrupção de dados críticos para os negócios. As causas de falhas nos dados possuem múltiplos aspectos e normalmente são difíceis de identificar. Normalmente, as falhas nos dados ocorrem devido a uma combinação de causas: falha no subsistema de armazenamento, falha no datacenter, erro humano e corrupção. O Oracle Database possui diversas tecnologias para resolver essas causas e ajudar a diagnosticar, atenuar e recuperar da falha de dados.

Proteção contra erro humano


Erros humanos são a principal causa de indisponibilidade, portanto um bom gerenciamento de risco precisa incluir medidas para impedir o erro humano e também para corrigi-lo quando ocorrer. Por exemplo, uma cláusula WHERE incorreta pode fazer com que uma operação de UPDATE afete muito mais colunas que o desejado. O Banco de dados Oracle fornece um conjunto de recursos poderosos que ajudam os administradores a prevenir, diagnosticar e recuperar desses erros. Ele também inclui recursos que permitem que os usuários finais se recuperem de problemas sem a intervenção do administrador, acelerando a recuperação dos dados perdidos e danificados.

Evitando erros humanos

Uma boa forma de evitar os onerosos erros humanos é restringir o escopo do acesso dos usuários para somente os dados e serviços que eles precisam. O Banco de dados Oracle proporciona uma ampla variedade de ferramentas de segurança para controlar o acesso do usuário aos dados das aplicações, autenticando os usuários e permitindo aos administradores que concedam aos usuários somente os privilégios necessários para realizarem suas tarefas.

O modelo de segurança do Banco de dados Oracle permite o controle de acesso detalhado, até o nível de linhas, através do recurso Banco de dados privado virtual (VPD) da Oracle.

Tecnologias Flashback da Oracle

Apesar das medidas preventivas, os erros humanos acontecem. As Tecnologias Flashback do banco de dados Oracle são um conjunto rico e exclusivo de soluções de recuperação de dados que permite reverter os erros humanos desfazendo de forma seletiva e eficiente os efeitos de um erro. Antes do Flashback, poderia demorar alguns minutos para danificar um banco de dados e horas para recuperá-lo. Com o Flashback, corrigir um erro leva, aproximadamente, o mesmo tempo que demorou para ele ser gerado. Além disso, o tempo necessário para se recuperar desse erro não depende do tamanho do banco de dados, um recurso exclusivo do Banco de dados Oracle. O Flashback suporta a recuperação em todos os níveis, incluindo a linha, a transação,

a tabela e todo o banco de dados.

O Flashback é fácil de usar: todo o banco de dados pode ser recuperado através de um único comando pequeno, em vez de seguir um procedimento complexo. O Flashback proporciona uma análise detalhada e reparos de danos localizados, como quando o pedido errado do cliente é excluído. O Flashback também suporta o reparo de danos maiores evitando, assim mesmo, longos períodos de inatividade, por exemplo, quando todos os pedidos do cliente do dia anterior foram excluídos.

Proteção contra a corrupção de dados

A corrupção física de dados é criada por falhas em qualquer um dos componentes que formam a pilha de Entrada/Saída (E/S). Quando o Oracle emite uma operação de gravação, essa operação de E/S do banco de dados é repassada para o código do sistema operacional. A gravação ocorre através da pilha de E/S: do sistema de arquivos para o gerenciador de volume, para o driver do dispositivo, para o adaptador Host-Bus, para o controlador de armazenamento e, finalmente, para a unidade de disco onde o dado é gravado. Falhas de hardware ou bugs em qualquer um desses componentes pode fazer com que dados inválidos ou corrompidos sejam gravados no disco. Essa corrupção poderia danificar as informações de controle internas do Oracle ou os dados da aplicação/usuário, e qualquer um desses casos seria catastrófico para o funcionamento ou a disponibilidade do banco de dados.

Proteção contra falha no armazenamento

Automatic Storage Management (ASM), uma inovadora tecnologia de armazenamento que integra o sistema de arquivos e recursos do gerenciador de volume, criados especificamente para arquivos de Banco de dados Oracle. Por suas características de baixo custo, facilidade de administração e alto desempenho, o ASM rapidamente tornou-se a tecnologia de armazenamento escolhida para administradores de TI que gerenciam bancos de dados autônomos ou do Oracle RAC. O Oracle Database 11g Release 2 amplia a funcionalidade do ASM para gerenciar todos os dados: arquivos de Banco de dados Oracle, arquivos do Oracle Clusterware e dados não-estruturados, como binários, arquivos externos e arquivos de texto.

Para obter desempenho e alta disponibilidade, o ASM segue o princípio de dividir e espelhar tudo. Os recursos inteligentes de espelhamento permitem que os administradores definam espelhos de 2 ou 3 vias para proteger os dados vitais. Quando ocorrem falhas de disco, o tempo de inatividade do sistema é evitado, utilizando os dados disponíveis nos discos espelhados. Se o disco com falhas for removido permanentemente do ASM, os dados subjacentes serão divididos ou reequilibrados pelos discos restantes para continuar a proporcionar um alto desempenho.

Proteção local

As empresas precisam proteger seus dados e aplicações críticos contra eventos que possam desativar todo o datacenter. Desastres naturais, quedas de energia e interrupção dos sistemas de comunicação são todos exemplos de falhas no local da empresa, fazendo com que o data center fique totalmente indisponível. O banco de dados Oracle oferece diversas soluções de proteção de dados que podem proteger uma empresa contra onerosos tempos de inatividade provocados por falhas totais no local da empresa. Backups locais e remotos frequentemente atualizados e testados constituem a base de uma estratégia geral de Alta disponibilidade. Entretanto, restaurar backups em um desastre local pode levar mais tempo do que a sua empresa pode aguentar e os backups podem não conter as versões mais atualizadas dos dados. Por este motivo, as empresas frequentemente mantêm uma ou mais cópias de duplicatas do banco de dados de produção em datacenters separados fisicamente. Vamos discutir a seguir como você pode obter uma replicação com o Oracle Data Guard ou o Oracle Streams ou ambos.

Data Guard

O Oracle Data Guard é a solução de proteção e disponibilidade de dados recomendada

pela Oracle. Ele proporciona a infraestrutura de software de automação, monitoração e gerenciamento para criar e manter um ou mais bancos de dados em standby para proteger os dados da empresa contra falhas, desastres, erros e corrupção de dados. Com o Data Guard você pode implantar e gerenciar uma ou mais cópias em standby de um banco de dados de produção tanto em um datacenter local como remoto. O Data Guard também atua de forma transparente nos Server Pools de Nuvem Privada, uma vez que é possível adicionar servidores dinamicamente ao banco de dados em standby no caso de ser necessário um failover.

O Data Guard contribui com o seu ROI (retorno do investimento) além da proteção contra desastres, uma vez que os bancos de dados em standby podem ser usados para a geração de relatórios, consultas ad-hoc, backups e atividades de teste.

Especificamente:

  • A opção Active Data Guard, primeiramente disponível no Oracle Database 11g, permite que um banco de dados físico em standby possa ser aberto durante o transporte e a aplicação dos dados de recuperação no standby. As consultas executadas em bancos de dados em standby ativos retornam resultados atualizados.

  • O recurso Snapshot Standby permite que um banco de dados físico em standby seja aberto para leitura-gravação para qualquer atividade que exija uma réplica dos dados de produção para leitura-gravação (por exemplo, a execução de testes). Um Snapshot Standby continua a receber, mas não a aplicar, os dados de recuperação gerados pelo banco de dados principal. Os dados de recuperação são aplicados automaticamente quando o Snapshot Standby é convertido de volta para um banco de dados físico em standby.

  • Um banco de dados lógico em standby tem a flexibilidade adicional de estar aberto para leitura-gravação. Apesar de os dados mantidos pelo SQL Apply não poderem ser modificados, é possível adicionar tabelas locais, criar estruturas de índice locais para otimizar a geração de relatórios, usar o banco de dados em standby como um data warehouse ou usá-lo para transformar a informação usada para carregar datamarts.

  • Você pode usar os bancos de dados em standby para realizar manutenção planejada de forma contínua. Isso reduz o tempo de inatividade e o risco ao executar manutenção de hardware ou de sistema operacional, manutenção no datacenter ou ao atualizar para novos conjuntos de patches do banco de dados e versões completas de banco de dados ou implementar outras alterações significativas no banco de dados.

  • Também é possível deslocar a sobrecarga dos backups de um banco de dados principal para um banco de dados físico em standby.

Oracle GoldenGate

O Oracle GoldenGate é a solução de distribuição de informações da Oracle. Fornece um conjunto de elementos criados para facilitar a captura, o armazenamento e a entrega de alterações de e para o banco de dados Oracle.

As aplicações existentes podem usar o Oracle GoldenGate com modificações mínimas ou manipulações especiais. O Oracle GoldenGate pode ser configurado facilmente, por exemplo, para capturar as alterações de um banco de dados ou um conjunto de esquemas ou tabelas individuais. Os bancos de dados que usam a tecnologia Oracle GoldenGate podem ser heterogêneos – ex: uma mistura de Oracle, DB2, SQL Server etc. Estes bancos de dados podem ser hospedados em diferentes plataformas – ex: Linux, Solaris, Windows etc. Os bancos de dados participantes também podem manter estruturas de dados diferentes usando o GoldenGate para transformar os dados no formato apropriado. Todas essas capacidades proporcionam uma base forte para que o GoldenGate seja adotado como a tecnologia de replicação padrão em grandes empresas.

Ativo – Bancos de dados ativos

Em uma configuração de replicação do GoldenGate, tanto o banco de dados de origem como o de destino estão disponíveis para os usuários finais para leitura e gravação, resultando em uma configuração distribuída ativo-ativo. Como os usuários podem atualizar diferentes cópias da mesma tabela em qualquer lugar, as alterações feitas em bancos de dados diferentes no mesmo elemento de dados podem resultar em um conflito de atualização. O Oracle GoldenGate fornece várias opções para evitar, detectar e resolver conflitos. Essas opções podem ser implementadas globalmente com base em objeto a objeto, em valores e filtros de dados ou por meio de critérios direcionados por eventos, incluindo mensagens de erro de banco de dados.

Reduzindo o tempo de indisponibilidade planejado

O tempo de indisponibilidade planejado geralmente é programado para dar aos administradores uma janela para realizar manutenção do sistema e/ou aplicação. Por meio dessas janelas de manutenção, os administradores realizam backups, reparam ou adicionam componentes de hardware, atualizam ou corrigem os pacotes de software e modificam componentes de aplicações, incluindo dados, código e estruturas de banco de dados. A Oracle reconheceu a necessidade de que os administradores continuem com as atividades tradicionais de sistema e manutenção e, ao mesmo tempo, evitem o tempo de inatividade do sistema e da aplicação, e fornece diversas soluções importantes para garantir a Alta disponibilidade durante a manutenção planejada.

Reconfiguração on-line do sistema

A Oracle suporta a reconfiguração on-line dinâmica do sistema para todos os componentes de sua pilha de hardware Oracle. O Automatic Storage Management (ASM) da Oracle tem recursos incorporados que permitem adicionar ou remover discos ASM on-line. Ao adicionar ou remover discos de um Grupo de Discos ASM, o Oracle reequilibra automaticamente os dados na nova configuração de armazenamento, enquanto o storage, o banco de dados e a aplicação permanecem on-line. Os Real Application Clusters fornecem recursos extraordinários de reconfiguração on-line. Os administradores podem adicionar e remover dinamicamente os nós em clusters sem qualquer interrupção no banco de dados ou na aplicação. A Oracle suporta a adição ou remoção dinâmica de CPUs em servidores SMP que tenham essa capacidade on-line. Por fim, os recursos de ajuste dinâmico de memória compartilhada da Oracle permitem que os administradores aumentem e diminuam a memória compartilhada e o cache de banco de dados on-line. Com recursos de ajuste automático de memória, os administradores podem permitir que o Oracle automatize o dimensionamento e a distribuição de memória compartilhada conforme a análise do Oracle das características de uso de memória. Os recursos abrangentes de reconfiguração on-line da Oracle suportam a capacidade dos administradores de não somente minimizar o tempo de inatividade do sistema em função de atividades de manutenção, mas também permite às empresas redimensionarem sua capacidade sob demanda.

Upgrades on-line

As empresas com demandas de alta disponibilidade podem aproveitar a tecnologia da Oracle para aplicar patches e fazer upgrades de seus sistemas (mesmo data centers inteiros) com o mínimo de interrupção para o usuário. Com o uso estratégico do Real Application Clusters e do Oracle Data Guard, os administradores podem oferecer um suporte mais especializado para as demandas da empresa.

Aplicação de patches no banco de dados com o mínimo de tempo de inatividade

Patches isolados devem ser aplicados a um banco de dados Oracle através de duas técnicas: usando o recurso de Aplicação de patches on-line ou usando o Oracle RAC de maneira contínua.

Dados on-line e alteração de aplicações

Os Dados on-line e a Reorganização de esquemas aprimoram a disponibilidade geral do banco de dados e reduzem o tempo de inatividade planejado, dando aos usuários acesso pleno ao banco de dados durante o processo de reorganização. Desde o Oracle Database 11g, o suporte à funcionalidade de reorganização on-line está disponível para tipos de objetos adicionais, incluindo: tabelas de enfileiramento avançado (AQ), logs de visualizações materializadas, tabelas com Tipos de dados abstratos (ADT) e Tabelas em Cluster. A adição de colunas com um valor padrão foi aprimorada de forma que não influencia na disponibilidade ou no desempenho do banco de dados. Muitas operações de manutenção em idiomas de definição de dados (DDL) permitem que os administradores especifiquem tempos-limite para a espera de bloqueio, permitindo que os administradores mantenham um ambiente altamente disponível e, ao mesmo tempo, realizem operações de manutenção e upgrades de esquemas. Além disso, os índices podem ser criados com o atributo INVISIBLE fazendo com que o Otimizador com base em custos (CBO) ignore-os, embora eles ainda sejam mantidos pelas operações DML. Quando um índice estiver pronto para a disponibilidade de produção, uma simples declaração ALTER INDEX fará com que ele fique visível para o CBO.

Gerenciando as soluções de alta disponibilidade do Banco de dados Oracle

O Oracle Enterprise Manager Grid Control é a interface de gerenciamento recomendada para um ambiente Oracle. O Oracle Grid Control fornece a funcionalidade de gerenciamento centralizado para a infraestrutura completa de TI da Oracle, incluindo sistemas que executam tecnologias da Oracle e tecnologia de outras empresas. Com um amplo conjunto de recursos de administração, gerenciamento de configuração, provisionamento, monitoramento total e segurança, o Oracle Grid Control reduz o custo e a complexidade do gerenciamento de ambientes de Grid Computing, ao mesmo tempo em que ajuda o cliente a manter seus níveis de serviço de infraestrutura de TI.

O Oracle Enterprise Manager foi ampliado com diversos recursos-chave focados em alta disponibilidade, conforme descrito a seguir:

  • Ele oferece um novo Console de Alta Disponibilidade (High Availability, HA) que integra o monitoramento de diversas áreas de HA(por exemplo, clusters, backup e recuperação, replicação, recuperação de desastres), fornece status geral da configuração de HA e inicia as operações adequadas.

  • A página “Maximum Availability Architecture Configuration Advisor” permite que você avalie a configuração e identifique soluções para a proteção contra falhas no servidor, no local, no armazenamento, humanas e de corrupção de dados, habilitando o fluxo de trabalho para implementar as soluções recomendadas da Oracle.

  • Ele permite mais automação da MAA ao permitir a migração de bancos de dados para o ASM e a conversão de bancos de dados de instância única para o Oracle RAC com tempo de inatividade mínimo.

  • Ele aprimorou drasticamente o gerenciamento e o monitoramento das configurações do Oracle Streams. Os administradores têm agora visualizações completas da topologia, de ponta a ponta, das configurações do Streams com métricas integradas de verificação de integridade, através das quais qualquer gargalo na topologia (por exemplo, devido a problemas de largura de banda da rede) pode ser rapidamente identificado e resolvido.

  • Ele suporta o gerenciamento do servidor administrativo do Oracle Secure Backup como um destino e o backup/restauração e a geração de relatórios do Sistema de arquivos do Oracle Secure Backup.

Oracle Maximum Availability Architecture

As práticas recomendadas de operação são essenciais para o sucesso de uma infraestrutura de TI. A Oracle Maximum Availability Architecture (MAA) é uma estrutura das melhores práticas da Oracle baseada no pacote integrado das melhores tecnologias de alta disponibilidade (HA) da Oracle. A MAA integra os recursos de alta disponibilidade do Banco de dados Oracle, incluindo o RAC, Data Guard, Streams, ASM, RMAN, Enterprise Manager, etc. A MAA inclui as melhores práticas recomendadas para componentes de infraestrutura crítica, incluindo servidores, armazenamento e rede. Além da tecnologia, a estrutura da MAA abrange recomendações específicas de projeto e configuração que foram testadas para garantir a disponibilidade e confiabilidade ideais do sistema. As empresas que usam MAA em sua infraestrutura de TI descobrem que podem implementar aplicações de forma rápida e eficiente, para atender a seus requisitos de negócios para alta disponibilidade.

A Oracle Maximum Availability Architecture, por meio da combinação correta das práticas recomendadas de tecnologia e de operação, permite às empresas implantarem sólidas soluções de TI. As práticas recomendadas da MAA estão continuamente sendo ampliadas.

Conclusão

Empresas de sucesso entendem a vital importância de manter infraestruturas de tecnologia altamente disponíveis para proteger dados e sistemas críticos de informação. No núcleo de muitos sistemas de informações de missão crítica está o banco de dados Oracle, responsável pela disponibilidade, segurança e confiabilidade da infraestrutura de tecnologia. Com base em décadas de inovação, a Oracle oferece novas soluções revolucionárias de disponibilidade e proteção de dados para fornecer aos clientes maneiras altamente eficientes de maximizar a disponibilidade de dados e aplicações, seja em atividades de manutenção planejadas ou em falhas inesperadas. Trabalhando em conjunto com os recursos de Alta disponibilidade dos bancos de dados da Oracle, os recursos de Nuvem Privada garantem que o custo de implantação de seu ambiente de banco de dados e de adaptação às necessidades em constante mudança dos negócios será significativamente menor do que você teria que gastar no passado para obter resultados equivalentes.

A2F

Whats 2.png

Tel. +55 (11) 5508-1111

Rua Jaceru, 384, Cj 905

CEP: 04705-000 - Brooklin

São Paulo | SP - Brasil

Conecte-se

  • Branca Ícone LinkedIn
  • Branco Facebook Ícone
  • Branco Twitter Ícone
  • Branca Ícone Instagram